quarta-feira, 4 de outubro de 2017

De um sonho

Hoje sonhei que paria meu coração

aquele orgão pulsante sangue

aquela imensidão



Eu o acomodava em minhas mãos como um pássaro morto e eu
guardava na gaveta
da cômoda
do meu quarto
de menina.


aquele coração pássaro morto.


eu queria que a gente corte que a gente cirurgia que você me sangrasse que eu cicatriz que a gente escorresse que eu.

pausa

eu queria que eu quente que a gente bicho oferenda altar que eu tecido eu queria que eu cabelo que eu pele que eu.

você você você você você
você você você você você
você você você você você

até você perder sentido
na letra
quatro só
quarto
você só
guardo
você

você

                                                                   (tão só você. desculpe virar você palavra. desculpe.
                                                                                                                 te fazer tão só palavra.
                                                                                                                                      desculpe)

eu quero que a gente
não assepsia
não ponto
não band aid
não estanca.



Por favor enviem agora
todas aquelas cartas de
amor que um dia me disseram que
eu merecia
que eu senti que merecia
todas aquelas cartas
me enviem
por favor


pois hoje guardei um coração pássaro morto na gaveta

hoje eu


(nenhuma de nós é
melhor do que
nenhuma de nós.
nenhuma)


Hoje eu.

Por favor.



(poema em fluxo. de um sonho de verdade. os sonhos são de verdade?)

2 comentários: